Primeiro Corpo ~ Veios

25.


Há uma noite contorcida
nas mãos dos homens
que parecem mortos;
e sustem um som estranho
a fatalidade:
o silêncio das mesas
detonando: o último
o imoral o corpo,
aquele que fica debruçado
na radioscopia do medo.
Anúncios
Esta entrada foi publicada em Corpo de Árvore ~ Primeiro corpo ~ Veios com as etiquetas , , , , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s