Arquivo de etiquetas: Medo

Respigar – O que foi do que te fiz

No, no. Yo no pergunto, yo deseo.                                   Lorca   O que foi do que te fiz   oásis dia-a-dia   supus que te teria … Continuar a ler

Publicado em Respigar | Etiquetas , , , , , , , | Publicar um comentário

Respigar – O que foi que eu fiz ao dia de festa

No, no. Yo no pergunto, yo deseo.                                Lorca   O que foi que eu fiz ao dia de festa, como uma flor deitada à beira … Continuar a ler

Publicado em Respigar, Uncategorized | Etiquetas , , , , , , , , , , , | Publicar um comentário

Mateus 7.6 – XII

XII   Para não chorar, amor, imagino a tua mão vencendo a  superfície da sombra. Para não sofrer, amor, imagino o teu  corpo desejando. Para não desesperar, amor, imagino  bruscamente uma lágrima ruindo no meu rumor, adormecido  por entre o … Continuar a ler

Publicado em Mateus 7.6 | Etiquetas , , , , , | Publicar um comentário

Coisas & Olhos

“jetzt schreibst du.” Paul Celan Desobedece traça e sega sob um coração a nudez das coisas agora. As coisas que só tu habitas deflagram sem, a rigor, nada de ti te obrigar a entregá-las puras agora. Há um riso clandestino … Continuar a ler

Publicado em Coisas & Olhos | Etiquetas , , , , , | Publicar um comentário

Tempo Bifurcado – Só com a noite

  Só com a noite  a pupila partilha a cor             exacta  extraindo mel no espelho rasurado   arduamente pelo medo   

Publicado em Tempo Bifurcado, Tempo Bifurcado - Só com a noite, Uncategorized | Etiquetas , | Publicar um comentário

Primeiro Corpo ~ Veios

25.   Há uma noite contorcida nas mãos dos homens que parecem mortos; e sustem um som estranho a fatalidade: o silêncio das mesas detonando: o último o imoral o corpo, aquele que fica debruçado na radioscopia do medo.

Publicado em Corpo de Árvore ~ Primeiro corpo ~ Veios | Etiquetas , , , , , , , | Publicar um comentário